História Pastorais Movimentos Comunidades Padres Dom Orione Notícias Seminário


Evangelho - Mt 5,17-37

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:
17Não penseis que vim abolir a Lei e os Profetas.
Não vim para abolir,
mas para dar-lhes pleno cumprimento.
18Em verdade, eu vos digo:
antes que o céu e a terra deixem de existir,
nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da Lei,
sem que tudo se cumpra.
19Portanto, quem desobedecer
a um só destes mandamentos, por menor que seja,
e ensinar os outros a fazerem o mesmo,
será considerado o menor no Reino dos Céus.
Porém, quem os praticar e ensinar
será considerado grande no Reino dos Céus.
20Porque eu vos digo:
Se a vossa justiça não for maior
que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus,
vós não entrareis no Reino dos Céus.
21Vós ouvistes o que foi dito aos antigos:
'Não matarás!
Quem matar será condenado pelo tribunal'.
22Eu, porém, vos digo:
todo aquele que se encoleriza com seu irmão
será réu em juízo;
quem disser ao seu irmão: 'patife!'
será condenado pelo tribunal;
quem chamar o irmão de 'tolo'
será condenado ao fogo do inferno.
23Portanto, quando tu estiveres levando 
a tua oferta para o altar, e ali te lembrares
que teu irmão tem alguma coisa contra ti,
24deixa a tua oferta ali diante do altar,
e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão.
Só então vai apresentar a tua oferta.
25Procura reconciliar-te com teu adversário,
enquanto caminha contigo para o tribunal.
Senão o adversário te entregará ao juiz,
o juiz te entregará ao oficial de justiça,
e tu serás jogado na prisão.
26Em verdade eu te digo: dali não sairás,
enquanto nóo pagares o último centavo.
27Ouvistes o que foi dito:
'Não cometerás adultério'.
28Eu, porém, vos digo:
Todo aquele que olhar para uma mulher,
com o desejo de possuí-la,
já cometeu adultério com ela no seu coração.
29Se o teu olho direito é para ti ocasião de pecado,
arranca-o e joga-o para longe de ti!
De fato, é melhor perder um de teus membros,
do que todo o teu corpo ser jogado no inferno.
30Se a tua mão direita é para ti ocasião de pecado,
corta-a e joga-a para longe de ti!
De fato, é melhor perder um dos teus membros,
do que todo o teu corpo ir para o inferno.
3lFoi dito também:
'Quem se divorciar de sua mulher,
dê-lhe uma certidão de divórcio'.
32Eu, porém, vos digo:
Todo aquele que se divorcia de sua mulher,
a não ser por motivo de união irregular,
faz com que ela se torne adúltera;
e quem se casa com a mulher divorciada
comete adultério.
33Vós ouvistes também o que foi dito aos antigos:
'Não jurarás falso',
mas 'cumprirás os teus juramentos feitos ao Senhor'.
34Eu, porém, vos digo:
Não jureis de modo algum:
nem pelo céu, porque é o trono de Deus;
35nem pela terra,
porque é o suporte onde apóia os seus pés;
nem por Jerusalém, porque é a cidade do Grande Rei.
36Não jures tão pouco pela tua cabeça,
porque tu não podes tornar branco ou preto
um só fio de cabelo.
37Seja o vosso 'sim': 'Sim',
e o vosso 'não': 'Não'.
Tudo o que for além disso vem do Maligno.


12 de Fevereiro - VI Domingo do tempo comum - Ano A

Deus dá a liberdade para o homem escolher entre o bem e o mal: a isso damos o nome de capacidade moral. A primeira leitura da liturgia deste sexto domingo do tempo comum, retirada do Livro do Eclesiástico(Eclo 15,15-20) critica o pecado que é inevitável; depois Deus não se preocupa com os humanos e os seus pecados.  O homem tem o seu livre arbítrio, por isso mesmo ele é livre para escolher entre o bem e o mal. Deus apenas quer que sejamos fiéis a ele e optemos pelo seu caminho livre das paixões desordenadas e pelo seu projeto de salvação.

O livro do Eclesiástico é um livro “sapiencial” – isto é, um livro cujo objetivo é apresentar indicações de caráter prático, deduzidas da reflexão e da experiência, sobre a arte de viver bem, de ter êxito, de ser feliz (é essa a temática da reflexão sapiencial no Médio Oriente, em geral, e em Israel, em particular). O seu autor é um tal Jesus Ben Sira, um judeu tradicional, convencido que a Tora (a Lei) dada por Deus a Israel é a súmula da sabedoria. Estamos no início do séc. II a.C.; a cultura grega (instalada na Palestina desde 333 a.C., quando Alexandre da Macedônia venceu Dario III, em Issos, e se apossou da Palestina e do Egipto) minava há já algum tempo, a cultura, a fé, os valores tradicionais de Israel. Os mais jovens abandonavam a fé dos pais, seduzidos pelo brilho superior dessa cultura universal, que era a cultura helênica. Jesus Ben Sira escreve para ajudar os israelitas a perceber a singularidade da sua fé e da sua cultura, a fim de que não se perca a identidade do Povo de Deus. Apresenta, na sua obra, uma síntese da religião tradicional e da sabedoria de Israel, mostrando que a cultura judaica não fica a dever nada à brilhante cultura grega.
Nos capítulos 14 e 15 do Livro do Eclesiástico, há uma reflexão sobre como encontrar a verdadeira felicidade. É nesse contexto que devemos situar o nosso texto: dirigindo-se aos seus concidadãos, seduzidos pela cultura grega, Jesus Ben Sira sugere-lhes o caminho da verdadeira felicidade e convida-os a percorrê-lo.

O tema da opção entre dois caminhos – o caminho da vida e da felicidade e o caminho da morte e da desgraça – é um tema caro à teologia tradicional de Israel. Para os teólogos deuteronomistas, essa é a grande questão que condiciona o sentido da vida do homem e o sentido da história: se o homem escolhe caminhos de orgulho e de auto-suficiência, à margem de Deus e dos mandamentos, prepara para si e para a comunidade em que está inserido um futuro de morte e de desgraça; mas se o homem escolhe viver no “temor” de Deus e no respeito pelas propostas de Jahwéh (mandamentos), ele constrói para si e para o seu Povo um futuro de felicidade, de bem estar, de abundância, de paz. A questão está muito bem expressa em Dt 30,15-20. A reflexão sapiencial tradicional mantém-se na mesma linha. Os “sábios” de Israel já perceberam (inclusive a partir da experiência que a própria história da sua nação lhes forneceu) que, quando respeita as indicações de Deus (mandamentos), o Povo constrói uma sociedade fraterna, livre, solidária, onde todos se respeitam e têm o que é necessário para viver de forma equilibrada e feliz; mas quando o Povo escolhe caminhos à margem de Jahwéh e faz “orelhas moucas” às propostas de Deus, constrói egoísmo, exploração, divisão e, portanto, sofrimento, privações, morte. As grandes catástrofes nacionais (nomeadamente o exílio na Babilónia) resultaram de opções por caminhos à margem de Deus e dos seus mandamentos. Neste texto, Jesus Ben Sira pretende colocar os homens do seu tempo – sobretudo aqueles que oscilavam entre os valores da fé dos pais e os valores mais “in” da cultura dominante – diante da opção fundamental que a liberdade lhes oferece: a vida e a morte, a felicidade e a desgraça. Um pormenor notável reside na convicção (aqui muito bem expressa) de que Deus respeita absolutamente a liberdade do homem. O homem não é, segundo Ben Sira, um títere nas mãos de Deus, ou um robot que Deus liga e desliga com o seu comando; mas o homem é um ser livre, que faz as suas escolhas (escolhas que condicionam, necessariamente, o seu futuro) e que tem nas suas mãos o próprio destino. Deus indica ao homem os caminhos para chegar à vida e à felicidade; mas, depois, respeita absolutamente as opções que o homem faz. Resta ao homem fazer as suas escolhas e construir o seu destino: ou com Deus, ou contra Deus; ou um destino de vida e felicidade, ou um destino de morte e de desgraça.

Na primeira leitura a questão fundamental que é posta é esta: existem caminhos diversos, opções várias, que dia a dia nos interpelam e desafiam. Em cada momento, corremos o risco da liberdade, assumimos o supremo desafio de escolher o nosso destino.  A outra proposta leva à morte. É o caminho daqueles que escolhem o egoísmo, a auto-suficiência, o orgulho, o isolamento em relação a Deus e às suas sugestões. Ao fechar-se em si e ao ignorar as propostas de Deus, o homem acaba por escolher os seus interesses e por manipular o mundo e os outros homens, introduzindo desequilíbrios que geram injustiça, miséria, exploração, sofrimento, morte. Talvez nenhum de nós escolha, conscientemente, este caminho; mas o orgulho, a ambição, a vontade de afirmar a nossa independência e liberdade, podem levar-nos (mesmo sem o notarmos) a passar ao lado dos “sinais” de Deus e a ignorá-los, resvalando por atalhos que vão dar ao egoísmo, ao fechamento em nós. Em cada dia que começa, é preciso fazer o balanço do caminho percorrido e renovar as nossas opções. A primeira leitura coloca a questão da liberdade. A Palavra de Deus que aqui nos é proposta deixa claro que Deus nos criou livres e que respeita absolutamente as nossas opções e a nossa liberdade. Deus não é um empecilho à liberdade e à realização plena do homem. Ele coloca-nos diante das diferentes opções, diz-nos onde elas nos levam, aponta o caminho da verdadeira felicidade e da realização plena e… deixa-nos escolher.

 

Caros fiéis,

O Evangelho deste domingo nos é muito caro(Mt 5,17-37 ou 5,20-22a.27-28.33-34a.37) que nos apresenta a verdadeira JUSTIÇA. Não esta justiça míope, midiática que muitas vezes estamos assistindo, que não se atêm aos autos, mais ao aplauso fácil. Não esta justiça dos que a triunfam pelos advogados caros.

Jesus tem uma relação coma LEI. Jesus não quer facilitar, não quer abolir a Lei, mas quer reformar a Lei, salvando-a do puro formalismo, a observância meramente exterior para “ganhar o céu”. A verdadeira Lei é aquela que nos coloca diante de Deus, a lei que liberta, que é amor, que é caridade, que é acima de tudo fazer somente a vontade do Pai, conforme o desejo de Jesus.

Nós todos sabemos que não basta seguir as leis para ser justo. Afinal de contas quem usa muito a lei para punir os outros está escondendo a sua própria perversidade. As leis devem ser observadas de maneira pessoal, consciente daquilo que estamos fazendo, tentando realizar o bem que a Lei propõe. Vivamos o espírito da Lei, tanto a Lei de Deus, resumida nos dez mandamentos e resumida no mandamento maior: “Amar a Deus sobre todos as coisas e ao próximo como a si mesmo”. Já dizia um velho pregador mineiro que quem não ama o seu irmão é réu da sua própria condenação. O Espírito da Lei Divina é aquela que produz a vida, que liberta, que transforma.

A Lei Mosaica, venerada pelos patriarcas e profetas, é a sabedoria e o espírito de Deus, conforme cantarmos na missa deste domingo: “Feliz o homem sem pecado em seu caminho, que na lei do Senhor Deus vai progredindo!“(Sl 119). O que o salmo nos ensina, andando nos caminhos de Deus, para ser justo é o seguimento perfeito do caminho de Deus. Por isso, já neste salmo, encontramos que a Lei é uma luz, um caminho, uma razão de orgulho perante os outros povos. Por isso os mandamentos lhes eram oferecidos para poderem apanhar o bem que Deus lhes propunha.

Observamos que os fariseus faziam uma barganha com Deus, cumprindo rigorosamente o que mandava a lei, sendo justos e pensavam ganhar o paraíso. Eles ficaram donos da Lei para fazer dela até um instrumento de dominação. E, infelizmente, isso continua no mundo atual quando os despostas e ditadores, os autossuficientes, os donos da verdade, usam da lei para dominar, para humilhar, para perseguir, para matar, passando por cima de tudo e chegando-se ao absurdo de se acharem impunes ou imunes da Lei de Deus. O adágio popular canta: “A lei dos homens pode ser comprada, mais a lei de Deus não, e o castigo vem a cavalo, a quem usurpa da lei para conseguir seus propósitos”.

Caros fiéis,

Jesus quer tirar a Lei dos fariseus e escribas e renovar, como que restaurando a Lei de Deus, a vontade de Deus, que reside unicamente no seu amor e na sua fidelidade. Jesus não veio abolir a Lei e muito menos ele é contrário a Lei, mais quer purificar a Lei, buscando a perfeição, superando o farisaísmo legalista e deixando o Espírito de Deus agir.

A novidade da interpretação que Jesus faz da Escritura está na explicitação da intenção de Deus ao dar os mandamentos. Não basta, por exemplo, não matar. Devem-se evitar as palavras de desamor, de desprezo, de ressentimento contra o próximo. Era essa a intenção de Deus ao dar o mandamento “não matarás”. “Deixa tua oferta diante do altar” (v. 24). No dia da expiação (ou do perdão, cf. Lv 16), os judeus confessam os pecados cometidos contra Deus e pedem perdão durante 24 horas. Mas acreditam que os pecados contra o “próximo” devem ser perdoados por quem sofreu a ofensa, e não por Deus; por isso, primeiramente pedem perdão ao próximo, para depois se dirigirem a Deus. Jesus faz uma mudança em relação ao judaísmo, afirmando que não somente num dia especial, mas todos os dias, os cristãos devem pedir perdão ao seu próximo para depois dirigir-se a Deus.

Ser justo passa por uma radical conversão. Por isso o espírito da justiça até no cumprimento dos mandamentos da Lei de Deus necessita de uma interpretação tranquila. Muitas pessoas não matam fisicamente, mas sufocam psicologicamente o seu irmão por desprezo, rixo, inveja, disputa de poder, mania de perseguição, destruição completa do irmão.

Lembremos, pois, que diante de Deus ninguém é sem pecado(Sl 130,3). Os fariseus viviam a lei pelos critérios humanos. Nós somos chamados a viver a Lei pela vontade de Deus, pelo amor, pela consciência de que Ele é nosso Pai.

Caros irmãos,

Os discípulos de Jesus são convidados a viver na dinâmica do “Reino”, isto é, a acolher com alegria e entusiasmo o projeto de salvação que Deus quis oferecer aos homens e a percorrer, sem desfalecer, num espírito de total adesão, o caminho que conduz à vida plena. Cumprir um conjunto de regras externas não assegura, automaticamente, a salvação, nem garante o acesso à vida eterna; mas, o acesso à vida em plenitude passa por uma adesão total (com a mente, com o coração, com a vida) às propostas de Deus.

Irmãos e Irmãs,

A Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios(1Cor 2,6-10) começa mostrando a fraqueza humana no início da obra evangelizadora. Só o fiel amadurecido pode alcançar a grandeza da fé, porque ele está vivendo o mistério, particularmente o mistério da Cruz. Deus destrona os poderosos e exalta os humildes, os perseguidos. A sabedoria de que São Paulo fala é a cruz, na qual Cristo revela o Deus despojado. Na fragilidade de sua vida humana e totalmente ofertada ao Pai como dom de amor, Jesus desvenda aquilo que Deus “preparou desde toda a eternidade” para os seres humanos: o amor ao extremo. É, pois, na adesão à vida de Cristo que consiste em a sabedoria divina, não reconhecida pelos poderosos, porque foge da lógica deste mundo. Somente aquele que se despoja da própria vida será capaz de reconhecer a sabedoria de Deus, que é Jesus Cristo crucificado.

Continuamos no ambiente da comunidade cristã de Corinto e à volta da discussão sobre a verdadeira sabedoria. Recordemos que o ponto de partida para a reflexão de São Paulo é a pretensão dos coríntios em equiparar a fé cristã a um qualquer caminho filosófico, que devia ser percorrido sob a orientação de mestres humanos (para uns, Paulo, para outros Pedro, para outros Apolo), à maneira do que se fazia nas escolas filosóficas gregas. Os coríntios corriam, dessa forma, o risco de fazer da fé uma ideologia, mais ou menos brilhante conforme as qualidades pessoais ou a elegância do discurso dos mestres que defendiam as teses. São Paulo está consciente, no entanto, que o único mestre é Cristo e que a verdadeira sabedoria não é a que resulta do brilho e da elegância das palavras ou da coerência dos sistemas filosóficos, mas é a que resulta da cruz. Depois de denunciar a pretensão dos coríntios em encontrar nos homens a verdadeira proposta de sabedoria para chegar a uma vida plena, São Paulo vai apresentar – de forma mais desenvolvida – a “sabedoria de Deus”.

São Paulo, na sua ação missionária ao falar da “sabedoria de Deus” é o mesmo que falar do projeto de salvação que Deus preparou para a humanidade (noutros textos, Paulo usa um outro conceito para falar da mesma coisa: “mystêrion” – cf. Rm 16,25; Ef 1,3-10; 3,3.4.9; Col 1,26; 2,2; 4,3). Trata-se de um plano “que Deus preparou para aqueles que o amam”, no sentido de os levar à salvação, à vida plena. Esse plano resulta do amor e da solicitude de Deus pelos seus filhos, os homens. É um plano que o próprio Deus manteve misterioso e oculto durante muitos séculos, e só revelou através do seu Filho, Jesus Cristo (antes de revelação feita através das palavras, dos gestos, da pessoa de Cristo, dificilmente os homens estariam preparados para compreender o alcance e a profundidade do plano divino, da “sabedoria de Deus”). Na leitura que São Paulo faz da história da salvação, as coisas são claras: Deus escolheu-nos desde sempre e quis que nos tornássemos santos e irrepreensíveis, a fim de chegarmos à vida eterna, à felicidade total, à realização plena. Por isso, veio ao nosso encontro, fez aliança conosco, indicou-nos os caminhos da vida e da felicidade; e, na plenitude dos tempos, enviou ao nosso encontro o seu próprio Filho, que nos libertou do pecado, que nos inseriu numa dinâmica de amor e de doação da vida e que nos convocou à comunhão com Deus e com os irmãos. Na cruz de Jesus, está bem expressa esta história de amor que vai até ao ponto de o próprio Filho dar a vida por nós. Esse plano de salvação continua, agora, a acontecer na vida dos crentes pela ação do Espírito: é o Espírito que nos anima no sentido de nascermos, dia a dia, como homens novos, até nos identificarmos totalmente com Cristo.

Os crentes são, em consequência deste dinamismo de esperança que o projecto de salvação de Deus introduz na nossa história, pessoas que olham a vida com os olhos cheios de confiança, que sabem enfrentar sem medo nem dramas as crises, as vicissitudes, os problemas que o dia-a-dia lhes apresenta, e que caminham cumprindo a sua missão no mundo, em direcção à meta final que Deus tem reservada para aqueles que O amam.

Jesus pede que cada um de nós carregue a sua cruz, e na fidelidade ao seu Evangelho, façamos a vontade do Pai, com o auxílio do Espírito Santo, para que a lei suprema seja a caridade e o amor ao próximo, banindo qualquer tipo de preconceito ou de perseguição pela falsa lei e pelos falsos legisladores e interpretes da lei que mata. A lei deve ser libertadora!

Escrito por: Padre Wagner Augusto Portugal.