Nossa Senhora Aparecida 
História Pastorais Movimentos Comunidades Padres Dom Orione Notícias Seminário


Lc 2,1-14

Aconteceu que, naqueles dias, César Augusto publicou um decreto, ordenando o recenseamento de toda a terra. Esse primeiro recenseamento foi feito quando Quirino era governador da Síria. Todos iam registrar-se, cada um na sua cidade natal. Por ser da família e descendência de Davi, José subiu da cidade de Nazaré, na Galileia, até a cidade de Davi, chamada Belém, na Judéia, para registrarse com Maria, sua esposa, que estava grávida. Enquanto estavam em Belém, completaram-se os dias para o parto, e Maria deu à luz o seu filho primogênito. Ela o enfaixou e colocou na manjedoura, pois não havia lugar para eles na hospedaria. Naquela região havia pastores que passavam a noite nos campos, tomando conta do seu rebanho. Um anjo do Senhor apareceu aos pastores, a glória do Senhor os envolveu em luz, e eles ficaram com muito medo. O anjo, porém, disse aos pastores: “Não tenhais medo! Eu vos anuncio uma grande alegria, que o será para todo o povo: Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: Encontrareis um recém-nascido envolvido em faixas e deitado numa manjedoura”. E, de repente, juntou-se ao anjo uma multidão da corte celeste. Cantavam louvores a Deus, dizendo: “Glória a Deus no m


24 de dezembro - Natal de nosso Senhor Jesus Cristo (Missa da Noite)

Irmãos e Irmãs,

Vivemos nesta noite santa o mistério da encarnação. A liturgia nos demonstra que o centro da celebração desta venturosa noite é o Evangelho, com o anúncio do nascimento do Salvador.

São Lucas esboça a situação histórica: ocupação romana, recenseamento, viagem de José e Maria para sua cidade de origem – Belém, cidade de Davi, em circunstâncias dificílimas e com grandes percalços, o nascimento da criança que é colocada numa manjedoura, por não haver lugar na hospedaria da cidade. A salvação, a partir do relato, manifesta-se lá, naquele lugar pobre, reclinado numa manjedoura.

Os olhos do mundo não poderiam acreditar: naquele lugar pobre, mas de sincero aconchego, é o Deus forte e invencível quem se faz humilde como os humildes, pobre como os pobres, anunciando a salvação e a redenção pela encarnação.

As testemunhas do teatro da encarnação foram como que escolhidas a dedo pelo anjo do Senhor: os que viviam à margem da sociedade, os que não eram socialmente identificados: pobres pastores. Devem procurar o Salvador, cujo sinal de reconhecimento é sua pobreza, que o identifica com eles: envolto em panos, numa manjedoura. Para dar sinal de veracidade a todo esse teatro da salvação, os coros celestes juntam sua voz à do arauto e entoam o portentoso hino: “Glória a Deus nas alturas e paz aos homens de boa vontade”.

 Meus irmãos,

Nesta noite santa, relembramos a promessa do povo do antigo testamento que, desde outrora, esperava o nascimento do rei prometido, aquele que, finalmente, faria valer os interesses de Deus, cuidando do bem-estar do povo, dando-lhes paz e segurança, fazendo justiça. Aqui está a síntese dos anseios do povo eleito que esperava o Messias para que se cumprissem as escrituras.

Desde ontem, todos nós aguardamos esta esperança: “Quando é que Deus virá nos visitar? Quando nascerá a luz desse dia?”.

Noite do nascimento do Salvador é noite de pobreza, de contemplar o cotidiano do homem e da mulher que sofrem e padecem da fome de comida e da fome de dignidade. E o nascimento é o momento em que se irrompe a luz que brilha na escuridão, anunciando aquele que vem visitar nossa casa, o Salvador.

A Boa Nova é para os pobres e para todo o povo. Os pastores representam os que acreditavam nas promessas de Deus, lá no fundo de suas almas. Eles recebem a notícia e logo se põem a caminho de Belém para verem aquilo que lhes foi comunicado.

Meus irmãos,

Um Menino pobre que nos torna rico é o maior presente que recebemos nesta noite santa.

Duas coisas escandalizavam os contemporâneos de Jesus: o fato de ser homem, declarar-se Deus, e, ainda mais, sendo pobre, declarar-se Messias, ou seja, o Salvador.

Jesus nasceu e renasce para andar no meio dos pobres, estropiados, prostitutas, cativos, desempregados, sem teto, sem caso, sem dignidade, doentes, marginalizados, aidéticos, homossexuais, leprosos, todos aqueles e aquelas que se encontram à margem da sociedade.

Jesus nasce nesta noite, pobre no meio dos pobres, sem o direito de nascer em um local mais digno, humanamente falando. Nasceu “sem teto”, não teve berço e suas primeiras visitas foram os pastores, a classe dos excluídos.

Irmãos amados,

Celebramos nesta noite venturosa, como os pastores de antanho, o nascimento da Luz admirável que é o Cristo Senhor.

Abstraiamos em nossas almas o teatro da salvação, em Belém, extasiando-nos com a Luz admirável que é o Cristo que nasce para a nossa salvação.

Jesus nasce para salvar nossos pecados e para inaugurar um novo tempo, tempo de graça, tempo de salvação, tempo de santidade e tempo, que se efetivam hoje como um tempo de evangelização, exercendo o papel de missionários e evangelizadores que pelo Batismo nos foi conferido. Na pregação da Palavra estaremos assegurando a edificação de uma sociedade cristã, em que “justiça e paz se abraçarão”.

Caros irmãos,

O presépio apresenta-nos a lógica de Deus que não é, tantas vezes, igual à lógica dos homens: a salvação de Deus não se manifesta nos encontros internacionais onde os donos do mundo decidem o destino dos homens, nem nos gabinetes ministeriais, nem nos conselhos de administração das multinacionais, nem nos salões onde se concentram as estrelas do jet-set, mas numa gruta de pastores onde brilha a fragilidade, a dependência, a ternura, a simplicidade de um bebé recém-nascido. Qual é a lógica com que abordamos o mundo: a lógica de Deus, ou a lógica dos homens?

Prezados irmãos,

Na primeira leitura(cf. Is 9,1-6) o profeta fala de um “povo que andava nas trevas” e que habitava “nas sombras da morte”. O panorama é sombrio e parece não haver saída, pois os reis de Judá já provaram ser incapazes de conduzir o seu Povo em direção à felicidade e à paz. Mas, de repente, aparece uma “luz”. Essa luz acende a esperança e provoca uma explosão de alegria. Para descrever essa alegria, o profeta utiliza duas imagens extremamente sugestivas: é como quando, no fim das colheitas, toda a gente dança feliz celebrando a abundância dos alimentos; é como quando, após a caçada, os caçadores dividem a presa abundante. Mas porquê essa alegria e essa felicidade? Porque o jugo da opressão que pesava sobre o Povo foi quebrado e a paz deixou de ser uma miragem para se tornar uma realidade. No quadro que representa a vitória da paz, vemos os símbolos da guerra (o pesado calçado dos guerreiros e as roupas ensanguentadas) a serem destruídos pelo fogo. Quem é que provocou a alegria do Povo, derrotou a opressão, venceu a guerra, restaurou a paz? Ninguém duvida que tudo isso é ação do Deus libertador. Como foi que Deus instaurou essa nova ordem? Foi através de “um menino”, enviado para restaurar o trono de David e para reinar no direito e na justiça (as palavras “mishpat” e “zedaqa”, utilizadas neste contexto, evocam uma sociedade onde as decisões dos tribunais fundamentam uma reta ordem social, onde os direitos dos pobres e dos oprimidos são respeitados e onde, enfim, há paz). O quádruplo nome desse “menino” evoca títulos de Deus ou qualidades divinas (o título “conselheiro maravilhoso” celebra a capacidade de conceber desígnios prodigiosos e é um atributo de Deus – cf. Is 25,1; 28,29; o título “Deus forte” é um nome do próprio de Deus – cf. Dt 10,17; Jr 32,18; Sl 24,8; o título “príncipe da paz” leva também a Deus aquele que é “a paz” – cf. Is 11,6-9; Mi 5,4; Zac 9,10; Sl 72,3.7). Quanto ao título “Pai eterno”, é um título do rei – cf. 1 Sm 24,12 – e é um título dado ao faraó nas cartas de Tell el-Amarna). Fica, assim, claro que esse “menino” é um dom de Deus ao seu Povo e que, com Ele, Deus residirá no meio do seu Povo, oferecendo-lhe cada dia a justiça, o direito, a paz sem fim.

É Jesus, o “menino de Belém”, que dá sentido pleno a esta profecia messiânica de Isaías. Ele é “aquele que veio de Deus” para vencer as trevas e as sombras da morte que ocultavam a esperança e instaurar o mundo novo da justiça, da paz e da felicidade. O nascimento de Jesus que celebramos esta noite significa que, efetivamente, este “Reino” chegou e incarnou no meio dos homens. Acolher Jesus, celebrar o seu nascimento, é aceitar esse projeto de justiça e de paz que Ele veio trazer aos homens. Reparemos, ainda, no “jeito” de Deus: Ele não se serve da força e do poder para intervir na história e para mudar o mundo; mas é através de um “menino” – símbolo máximo da fragilidade e da dependência – que Deus propõe aos homens o seu projeto de salvação.

Caros irmãos,

Na segunda leitura(cf. Tt 2,11-14), temos como verdadeiro centro e coração de toda a carta, o autor tenta dar aos cristãos razões válidas para viver uma vida cristã autêntica e comprometida. Quais são essas razões? A primeira é o amor (“kharis”) de Deus, que foi oferecido a todos os homens. É esse amor que possibilita a renúncia à impiedade e aos desejos deste mundo e a vivência da temperança, da justiça e da piedade; sendo os destinatários desse amor transformador e renovador, temos de viver uma vida nova e comprometida com o Evangelho. A segunda é a esperança na manifestação gloriosa de Cristo, que convida os homens a perceber que a terra não é a sua pátria definitiva; quem espera a segunda vinda de Cristo, percebe que só faz sentido olhar para os bens essenciais; consequentemente, desprezará os bens materiais, que só interessam a este mundo. A terceira é a obra redentora levada a cabo por Cristo. Cristo entregou-Se totalmente, até à morte, para nos salvar do egoísmo, do orgulho, do pecado e para fazer de nós homens novos. Ligados a Ele pelo baptismo, tornamo-nos um com Ele e recebemos vida d’Ele. Se estamos ligados a Cristo e se recebemos d’Ele vida, essa vida tem de manifestar-se na nossa existência diária.

Irmãos e irmãs,

No Evangelho(cf. Lc 2,1-14) o menino de Belém leva-nos a contemplar o incrível amor de um Deus que Se preocupa até ao extremo com a vida e a felicidade dos homens e que envia o próprio Filho ao mundo para apresentar aos homens um projeto de salvação/libertação. Nesse menino de Belém, Deus dá um longo grito da radicalidade do seu amor por nós. O presépio apresenta-nos a lógica de Deus que não é, tantas vezes, igual à lógica dos homens: a salvação de Deus manifesta-se numa gruta de pastores onde brilha a fragilidade, a dependência, a ternura, a simplicidade de um bebé recém-nascido. A presença libertadora de Jesus neste mundo é uma “boa notícia” que devia encher de felicidade os pobres, os débeis, os marginalizados e dizer-lhes que Deus os ama, que quer caminhar com eles e que quer oferecer-lhes a salvação. Jesus – o Jesus da justiça, do amor, da fraternidade e da paz – já nasceu, de forma efetiva, na vida de cada um de nós, nas nossas casas religiosas, nas nossas comunidades cristãs? Ou a noite de Natal é apenas um evento gastronômico ou cheio de bebidas e comidas? O verdadeiro dono do aniversário, Jesus, o Deus Menino, é pelo menos celebrado?

Prezados irmãos,

Esta noite é a noite da evangélica opção preferencial pelos pobres e pelos excluídos.

Deus Menino, que nasce assume a nossa humanidade e redime esta humanidade, vem ao nosso encontro.

Esta noite é à noite da misericórdia. Noite que significa “ter o coração aberto ao miserável, ao necessitado”. Os necessitados somos nós, pecadores, todos, sem exceção.

Nesta noite de Natal Deus abre o seu coração, rico de misericórdia (Ef 2,4) e derrama sobre nós o seu incomensurável amor, dando-nos a plenitude dos bens, seu Filho, encarnação da misericórdia divina. Misericórdia que é para nós perdão e graça, santificação e vida.

Assim, abrindo nosso coração, esta noite é a noite da Alegria. Nesta noite não há espaço para tristeza, porque nasceu vida, uma vida que destrói o medo da morte e traz a felicidade da comunhão com Deus. Ninguém está excluído dessa felicidade.

Exulta de alegria o santo, porque hoje a santidade é oferecida em abundância a todos.

Exulta o pecador, porque Deus lhe oferece a facilidade do perdão na ternura de uma criança.

Esta é a noite da fraternidade. O Filho de Deus se fez nosso irmão e nós nos tornamos filhos do mesmo Pai, irmãos e irmãs em Cristo (Mt 23,8-9).  Por isso, cantamos com Maria: “A minha alma glorifica o Senhor e o meu espírito exulta em Deus, meu Salvador, porque grandes coisas fez o Todo-poderoso” (Lc 1,46-47).

Que esta noite santa seja a noite da Paz em que, no presépio, reúne pastores e reis, animais e plantas, a terra e as estrelas, num silêncio reverente, e adorem todos a Paz que veio a este mundo!

Cantemos, com renovado entusiasmo: “Glória in excelsis Deo!”.

Nesta noite venturosa nasceu o salvador, assumiu nossa humanidade, venceu o pecado e anunciou a paz e o amor!

LAETO CORDE NOVOQVE CANTO CHRISTVM NATVM ADOREMVS! – De coração alegre e com novo cântico adoremos o Cristo Nascido! Amém!

Escrito por: Pe Wagner Augusto Portugal